• Logomarca Governo do Estado do RN
  • Governo do Estado do RN
  • Dec 13 2017 5:36PM

Conheça o RN

Turismo

ASSECOM/RN29 Apr 2014 13:13

Com mais de 400 km de litoral, é natural que os destinos mais procurados no RN sejam as praias potiguares. Mas há muito a ser explorado fora dos roteiros dos famosos passeios de bugues nas dunas. O turismo no interior do Rio Grande do Norte destaca-se principalmente pelas festas de carnaval (Caicó, Macau e Guamaré), São João (Mossoró) e de datas religiosas (Festa de Santana em Caicó e Currais Novos; de Santa Luzia em Mossoró; de Nossa Senhora da Guia, em Acari; e de São Sebastião em Parelhas e Caraúbas).

No entanto, tem crescido bastante a procura pelos festivais gastronômicos (Martins e Pipa) e literário (Pipa). Para quem gosta de frio, as temperaturas das regiões serranas de Monte das Gameleiras, Martins e Serra de São Bento chegam a 15 graus e são um convite para se apreciar uma conversa em torno de uma fogueira.

O turismo é responsável por uma das principais receitas do Estado do RN. Gera mais de 100 mil empregos e possui outras 54 atividades atreladas a si direta ou indiretamente.

  • Leitos: 40 mil (sendo 28 mil em Natal - IBGE) - proporcionalmente, é um dos maiores números de leitos do Brasil.
  • Número de hotéis: mais de 250 (Ministério do Turismo)
  • RN - 2.618.348 (2.449.726 brasileiros e 168.622 estrangeiros – Secretaria Estadual de Turismo, em 2012)
  • Natal - 1.701.099 (1.590.187 brasileiros e 110.912 estrangeiros – Secretaria Estadual de Turismo, em 2012)
  • Alta estação: Novembro a março (em 2012, janeiro foi o mês mais procurado por turistas, seguido por dezembro)

Principais pontos turísticos

Forte dos Reis Magos (Natal)
Em forma de estrela, foi a primeira construção da capital — fundada em 25 de Dezembro de 1599 — daí o nome Natal. Foi erguida pelos portugueses sobre recifes com cascalho de ostras, óleo de baleia, areia e pedras. A construção secular conserva canhões que miram o mar e recebe centenas de turistas diariamente. De lá se pode observar o mar aberto, a exuberância da ponte Newton Navarro sobre o rio Potengi e o manguezal repleto de caranguejos “chama-maré”. Praia de Ponta Negra (Natal)

A praia mais movimentada da capital destaca-se pelo visual exuberante do Morro do Careca, uma duna gigante ladeada por mata atlântica, um dos principais cartões-postais do Estado. Concentra grande parte dos hotéis e restaurantes da cidade. À beira-mar, é possível degustar espetinhos de camarão assados na hora com uma bebida gelada, acomodado em guarda-sóis na areia.


Forte dos Reis Magos, foto: Giovanni Sérgio.

Centro de Artesanato (Natal)
O prédio histórico que sediava um antigo presídio no século passado hoje reúne o melhor do artesanato potiguar. Cada cela abriga uma lojinha onde estão expostos rendas de bilro, garrafas de areia colorida e artesanatos diversos. O andar superior traz ainda uma galeria de arte contemporânea e de antiguidades. Na área externa, a antiga igrejinha virou um museu de ex-votos (objetos talhados em madeira para o pagamento de promessas de fieis católicos) com peças de todo o Nordeste. Do restaurante, a vista privilegiada mostra do alto o Forte dos Reis Magos, as praias do centro da cidade e as dunas do litoral norte.

Centro Histórico (Natal)
O bairro da Cidade Alta tem desde as mais antigas igrejas, como a Matriz de Nossa Senhora da Apresentação (1694), do Rosário (1714) e de Santo Antônio (1766), até prédios do séc. XIX em desenho neoclássico, com destaque para o Palácio Potengi, que hoje abriga a Pinacoteca do Estado.

Parque das Dunas (Natal)
É o segundo maior parque em área urbana do país – atrás apenas da Floresta da Tijuca, no Rio – com mais de mil hectares de dunas e mata atlântica. No Bosque dos Namorados, área do parque destinada à visitação, é possível fazer três diferentes trilhas – uma delas, para criança – que terminam em mirantes de frente para o mar da Via Costeira. Possui uma pista para caminhada, parques infantis, anfiteatro para eventos, um restaurante e uma lanchonete, além de museus e setores de pesquisa ambiental.

Via Costeira (Natal)
É uma via litorânea de 10 quilômetros que liga a praia de Ponta Negra às praias do centro da cidade. Quem trafega pela estrada aprecia, de um lado, o mar, e do outro, a mata atlântica e as dunas do Parque das Dunas. Concentra os hotéis cinco estrelas da cidade.


Via Costeira, foto: ASSECOM/RN.

Barreira do Inferno (Parnamirim, 12 km de Natal)
O Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI) foi a primeira base aérea de foguetes da América do Sul. Hoje é comandada pela Força Aérea Brasileira e possui foguetes e aviões em exposição, mais um centro aberto à visitação.

Pipa (Tibau do Sul – 77 km de Natal)
O lugar que na década de 80 era apenas uma vila de hippies e pescadores de difícil acesso hoje é uma das praias mais badaladas e cosmopolitas do Brasil. Reúne cenários paradisíacos – como o Chapadão, um conjunto de falésias que formam um imenso paredão à beira-mar, e praias de água morna aonde golfinhos vão se banhar com os turistas, como as praias do Amor e da Baía dos Golfinhos – e também uma gastronomia de boa qualidade e uma vida noturna agitada em bares e boates. Gente do mundo inteiro hoje toma as ruas de Pipa, desde aqueles que se apaixonaram pelo lugar e por lá montaram um negócio até estrangeiros que inseriram o destino entre os seus preferidos.


Chapadão de Pipa, foto: Giovanni Sérgio.

Galinhos (157 km de Natal)
Localizada ao norte do Estado, é preciso pegar um barco para chegar até esta península rústica, cortada por rios que fornecem saborosos frutos do mar à culinária local, preparada por pescadores e suas famílias. O cenário bucólico tem direito a dunas e praias de água doce e salgada praticamente desertas.

São Miguel do Gostoso (120 km de Natal)
Um detalhe peculiar chama a atenção nas praias desta pequena cidade: o sol se põe no mar, em vez de se pôr no continente, como acontece em todo o Brasil. Esse fenômeno é possibilitado pela posição geográfica do município, bem na esquina do continente. Os ventos fortes da localidade são considerados excelentes para a prática do windsurf, por isso o local já virou point mundial do esporte e é fácil ouvir diversas línguas nas ruas da cidade. Esse cosmopolitismo trouxe à cidade pousadas e restaurantes de boa qualidade e uma noite badalada. Na praia de Tourinhos, a dica é observar o sol ir embora de cima de uma falésia. Em suas areias, nada de vendedores ambulantes ou grande movimento de pessoas. Tranquilidade total.


Windsurf em São Miguel do Gostoso, foto: Giovanni Sérgio.

Praia de Barra do Cunhaú (Canguaretama – 90 km de Natal)
Próxima à praia da Pipa, é bastante procurada por praticantes de kitesurf e windsurf. Na praia da Barrinha, o rio Catú e seu manguezal se encontram com o mar; a do Pontal se estende por 5 km e concentra barracas de praia, restaurantes e pousadas. Agregada às praias fica Sibaúma, vila originada de um quilombo.

Praia de Maracajaú (Maxaranguape – 45 km de Natal)
O grande atrativo desta praia são suas piscinas naturais – conhecidas como “parrachos” – que possibilitam um mergulho em águas cristalinas em alto mar. Lanchas levam diariamente turistas até uma catamarã instalada a alguns quilômetros da costa, onde se pode fazer snorkeling , apreciar peixes coloridos e ainda bebericar coquetéis e petiscos.

Praia de Pirangi (Parnamirim – 12 km de Natal)
A extensa praia de águas calmas e mornas é uma das preferidas do potiguar para o veraneio, quando fica lotada, de dezembro até o carnaval. Abriga o “maior cajueiro do mundo”, uma árvore gigante com tamanho equivalente ao de 70 cajueiros e que produz cerca de 2 toneladas de cajus por safra. Os passeios de escuna que levam até mergulhos nos parrachos são outro atrativo da praia.


Maior Cajueiro do Mundo, foto: ASSECOM/RN.

Praia de Genipabu (Extremoz – 20 km de Natal)
Quem cruza suas dunas extensas tem a impressão de estar em um verdadeiro deserto, pois a areia vai até onde a vista alcança. A melhor forma de apreciar essa paisagem é fazendo um passeio de bugue que leva até lagoas no meio do areal, onde é possível se refrescar descendo a duna de “aerobunda”, uma espécie de tirolesa da qual o turista se joga na água. Um passeio exótico pode ser feito em dromedários – sim, o mamífero nativo africano! – e vestido à caráter, como se fosse um tuareg no deserto.


Praia de Genipabu, foto: ASSECOM/RN.

Acari (201 km de Natal)
Fica na região do Seridó, tradicional pela comida sertaneja autêntica que produz. Os principais pontos turísticos de Acari são construções históricas (sobrados, igrejas, casas de fazenda), sítios arqueológicos e um museu sobre a vida dos sertanejos. O Açude Marechal Dutra, conhecido como Gargalheiras, é um dos mais exuberantes do Nordeste. O período de sangria do açude reúne multidões de curiosos e turistas.


Açude Gargalheiras, foto: Giovanni Sérgio.

Caicó (256 km de Natal)
Seus pontos turísticos são o Museu do Seridó, que registra a vida do sertanejo; o Castelo de Engady, construção que remete à época medieval, erguida no meio da caatinga; o Açude Itans e seus balneários; o Mercado Municipal e o Arco do Triunfo, que dá acesso à igreja matriz. Caicó sedia duas grandes festas no Estado: o carnaval de rua e a de sua padroeira, Nossa Senhora de Sant’Ana, em julho. É conhecida pela autêntica culinária sertaneja.

Castelo de Zé dos Montes (Sítio Novo, 99 km de Natal)
Construído e arquitetado em 1984 por um visionário – o tal Zé do Montes – que diz ter recebido a “missão divina” de construir o castelo entre as pedras da Serra da Tapuia, o lugar chama a atenção por diversos aspectos. Primeiro pela surpresa de, no meio do mato, deparar-se com um castelo erguido no meio do nada. Depois, o visitante é surpreendido pelos seus corredores estreitos e bifurcados (que também lhe dão o nome de “Castelo do Labirinto”) e por seus mirantes que dão vistas para um verde vale. No interior, todos os caminhos convergem para o centro do castelo, onde há uma capela em homenagem a Nossa Senhora.


Castelo do Zé dos Montes, foto: Giovanni Sérgio.

Carnaúba dos Dantas (219 km de Natal)
A cidade tem duas grandes atrações: o Castelo Di Bivar, inspirado na arquitetura europeia medieval e que serviu de cenário para o filme "O Homem que Desafiou o Diabo", baseado na obra do potiguar Nei Leandro de Castro. Fica no alto de uma serra, cercado por sítios arqueológicos com pinturas rupestres. A outra é o Monte do Galo, em cujas escadarias estão dispostas as estações da Via Sacra, onde é apresentada anualmente a Paixão de Cristo. Do alto avista-se o verde da região.

Alto de Santa Rita de Cássia (Santa Cruz, 111 km de Natal)
O município de Santa Cruz possui hoje a maior imagem católica do mundo, medindo 56 m de altura, maior até do que o Cristo Redentor. A estátua de Santa Rita de Cássia, padroeira do município, foi erguida em 2007 e hoje recebe o turismo religioso. Seu entorno conta com capela, lojinhas, auditório, restaurante, lanchonete, banheiros e estacionamento. Do alto, tem-se uma vista de 360 graus dos verdes vales da região.


Estátua de Santa Rita de Cássia, foto: Giovanni Sérgio.

Lajedo de Soledade (Apodi , 420 km de Natal)
Em 1991, quando as pedras da localidade eram implodidas para a produção de cal, descobriu-se por acaso este importante sítio arqueológico potiguar. Suas pinturas rupestres foram feitas por índios que habitaram a região há milhões de anos. A composição de pedras do Lajedo lembra um cenário lunar.

Martins (363 km de Natal)
Recebe a alcunha de “Princesa Serrana”, devido ao clima ameno que chega à média de 15 graus no inverno, quando sedia um famoso festival gastronômico. Os turistas podem visitar mirantes como a Casa da Pedra – segunda maior caverna em calcário do mundo – o da Igreja Matriz, Pedra Rajada e da Pedra do Sapo. O turismo de aventura é forte nesta região serrana.


Casa da Pedra, foto: Giovanni Sérgio.

Mossoró (285 km de Natal)
A segunda maior cidade do Estado é lembrada por ter resistido aos ataques do bando do cangaceiro Lampião, cujas marcas de bala são até hoje preservadas na Capela de São Vicente. A Estação das Artes, os mercados Municipal e do Bode são outras atrações. Pela realização do Mossoró Cidade Junina, o município abriga uma das maiores festas populares do Nordeste, composto por um mês inteiro de eventos, dentre os quais se destaca o espetáculo "Chuva de bala no país de Mossoró".

Serra de São Bento (131 km de Natal)
Suas serras sediam um festival de inverno, em julho, com direito a estadia confortável em uma pousada de charme construída sobre uma rocha. Com a vizinha Monte das Gameleiras, a cidade tem sido bastante procurada pelo turismo de aventura ou de apreciação rural.

Notcias do RN